Fundamentos da Preparação – GEO – 1

Geografia da população

*prof. Thiago Rocha

Abrimos a abordagem da Geografia na série Fundamentos da Preparação do IDEG com um tema que tem sido dos mais frequentes há quase dez anos no CACD: a geografia da população. Se até 2007 foi tema raro nas provas, a partir de 2008 temos questões em praticamente todos os anos (a exceção foi a prova de 2016), tanto objetivas quanto discursivas. Com a reformulação do programa da disciplina em 2009 o tema passou mesmo a representar um dos sete grandes tópicos que estruturam o conteúdo da geografia no CACD. Para fins de organização da preparação, podemos analisar as dinâmicas demográficas a partir de duas perspectivas: o crescimento natural e a mobilidade.

No campo do crescimento natural da população temos como pilar fundamental o Modelo da Transição Demográfica proposto por Warren Thompson ainda na primeira metade do século XX que até hoje segue demonstrando, com ajustes e incorporações necessárias de novas dinâmicas,  grande capacidade explicativa para entendermos a maior parte das situações que envolvem as variações de população a partir de taxas como natalidade, mortalidade e fecundidade.

Apesar de se basear em mecanismos aparentemente simples, o crescimento natural foi e ainda é objeto de intensos debates, como aquele que envolveu neomalthusianos e reformistas no que diz respeito às estratégias para se equilibrar esse crescimento. Estes mesmos mecanismo também explicam importantes cenários demográficos contemporâneos como a Janela Demográfica ou ainda o Inverno Demográfico.

A mobilidade, por outro lado, diz respeito às questões que envolvem os movimentos de pessoas em diferentes escalas (regionais, nacionais, internacionais), além das motivações que levam a esses movimentos, como migrações econômicas ou migrações forçadas. As causas e efeitos dos grandes fluxos migratórios atuais estão diretamente relacionadas a algumas das principais questões do mundo contemporâneo: desde as assimetrias econômicas no espaço, passando por conflitos com alta capacidade de repulsão populacional, reverberando ainda no Brexit ou na eleição de Trump nos EUA. O conhecimento das dinâmicas de mobilidade se revela rica cartografia para enorme número de temas nacionais e internacionais e suas principais correntes interpretativas, sejam clássicos, histórico-estruturalistas ou ainda os modelos baseados em redes migratórias evidenciam a complexidade desse campo.

O fundamental na preparação para a geografia da população no CACD é o acompanhamento de algumas fontes primárias como trabalhos e relatórios nacionais (como os do IBGE) e internacionais (como o World Population Prospects, da divisão de população da ONU, ou o Global Trends, produzido pelo ACNUR), além de periódicos que permitem a atualização dos temas, como se pode ver pela cobrança da questão sobre as alterações da política de controle de natalidade chinesa na prova discursiva de 2017. Mas, sobretudo, é indispensável uma abordagem capaz de reconhecer as conexões existentes entre os grande campos mencionados além das relações com outros temas do programa, uma vez que as provas de geografia no CACD se caracterizam muito mais pela combinação temática do propriamente pela cobrança estanque de pontos do edital.

Deixe uma resposta