CONVERSA COM O DIPLOMATA CAUÊ PIMENTEL

CONVERSA COM O DIPLOMATA CAUÊ PIMENTEL

CONVERSA COM O DIPLOMATA CAUÊ PIMENTEL

Se, há um ano, Cauê Pimentel estava assistindo a um dos bate-papos com diplomatas realizados pelo IDEG, hoje, é ele quem conversa conosco na posição de aprovado no CACD de 2018. E mais, nos releva erros e acertos de toda sua trajetória de preparação.

Apesar de Cauê ter cursado Relações Internacionais, seu interesse pela carreira diplomática veio somente após a faculdade. Acabou, no entanto, fazendo mestrado e distanciou-se do concurso por um tempo.

Somente quando entrou no doutorado em Ciências Políticas é que decidiu prestar o CACD para valer.

Para isso, teve de conciliar a preparação para o concurso com os estudos acadêmicos. A seu ver, o doutorado trouxe aprimoramento intelectual e repertório, mas não o ajudou diretamente a passar no concurso.

O que mais fez a diferença foi não ter desistido e, sobretudo, ter encarado as reprovações como oportunidades para aprender com os erros cometidos e conseguir ajustar seu próprio método de estudos.

Seguem algumas dicas e reflexões abordadas pelo Cauê:

 

O segredo é não desistir!

Passar no CACD é um compromisso de longo prazo, o que exige uma visão menos apaixonada e ideológica sobre a diplomacia. Ou seja, é necessário obter maior clareza sobre o concurso, além  de certa maturidade intelectual. E tudo isso você só alcançará com o tempo de estudo para a carreira diplomática.

 

Planejamento é fundamental

A dedicação ao concurso é essencial, mas não necessariamente de forma exclusiva. É bom ter um “plano B”, seja ele trabalho ou estudo acadêmico, sobretudo, quando se precisa de suporte para enfrentar as reprovações.

 

Método de ensino

Cursinhos ajudam bastante, mas não resolvem todos os problemas. O cursinho dá o caminho, uma estrutura de estudos a seguir, mas é você quem deve construir o seu próprio método, sua própria rotina de estudos.

 

Desenvolva seu própria estratégia de estudos

O conhecimento é dinâmico, portanto deve-se saber aperfeiçoar o seu próprio método de estudos, mudando de estratégia diante dos erros cometidos e mantendo aquilo que está dando certo.

 

Avalie seus erros

Quanto mais tempo de preparação, mais focado deve ser o estudo. A nota do TPS do Cauê só deslanchou depois que ele focou nas suas lacunas de conhecimento e nos pontos que mais errava nas provas.

 

Ajuste sempre o seu caderno de estudos

É preciso saber investir o maior tempo da preparação na construção e ajuste do seu material. Isto é, naquilo que vai realmente ajudar nas semanas que antecedem o TPS e as demais fases. Quando sai o edital, o tempo é escasso. Por isso, a chave é ter seu material bem preparado.

 

Esses foram os principais tópicos abordados pelo recém diplomata, Cauê Pimentel. Se quiser saber mais, basta assistir sua palestra na íntegra logo abaixo: ↓

 

//www.googleadservices.com/pagead/conversion.js