fbpx

Como fazer resumos mais assertivos

Como fazer resumos mais assertivos

Como fazer resumos mais assertivos

 

 

Vamos começar tratando de uma dúvida sobre anotações que é o famoso “biscoito ou bolacha” de todo(a) cacdista: caderno ou computador?

Um estudo da Universidade de Princeton mostrou os resultados de experimentos comparando o desempenho de alunos que faziam anotações com cadernos e com notebooks. O resultado mostrou que alunos que usaram notebook escreveram, em média, 309 palavras, enquanto alunos com caderno escreveram 173. Em testes mais objetivos, o desempenho de ambos os grupos foi parecido, mas em perguntas conceituais, que testavam a compreensão dos conceitos, os alunos que utilizaram
cadernos tiveram desempenho superior.

Mas, então, é melhor fazer cadernos manuscritos?
Não. O melhor é mudar a forma como você elabora as suas anotações. Há estudantes que anotam até o “respiro” do professor, quando, na verdade, deveriam estar preocupados(as) em processar a informação para anotá-la de um jeito próprio. No experimento citado acima, os alunos que anotaram à mão tiveram mais sucesso simplesmente porque reelaboraram o conteúdo mentalmente antes de passá-lo para o
papel. Como escrever leva mais tempo que digitar, o cérebro precisou organizar as informações rapidamente, para que o conteúdo das aulas não fosse perdido.

Para o CACD, o caderno digital é a melhor alternativa, pelo volume de conteúdos e pela necessidade de atualização constante. Importante ressaltar que o que vai definir o aprendizado é o processamento da informação antes de escrevê-la, então, antes de digitar alguma coisa, processe a informação.
Basicamente, um texto é formado por um tema, a tese do autor sobre esse tema (ou o ponto de vista/acontecimento que ele quer mostrar), os principais argumentos/acontecimentos e as conclusões. São esses os pontos que você deve identificar e levar para o seu fichamento. Todo o resto é informação secundária que deve ser eliminada.

Leia o(s) texto(s) indicado(s) e marque as partes mais importantes conforme esses pontos citados acima. Não tenha medo de voltar alguns parágrafos para entender melhor ou mesmo buscar informações adicionais. Você não precisa entender tudo “de primeira”. Também “converse” com o texto, fazendo anotações, perguntas e observações que parecerem pertinentes (inclusive, pontos que você lembrar da aula, caso faça algum curso preparatório).

Tendo isso em mente, vamos definir um passo a passo para a construção do seu resumo:

Para esse último item, você deve articular as anotações de aula e de leitura em um todo orgânico,  consultando essas anotações. Abaixo, um exemplo para você se basear:

Você também pode usar color code (código de cores) e outras estratégias que deixem seus resumos visualmente mais claros e rápidos para processar as informações.

O importante é que você anote em tópicos ou por meio de outros esquemas que evitem, a todo custo, o texto longo. Também crie um sumário para identificar os assuntos de forma mais clara.

Para saber ainda mais sobre essa e outras questões, você pode seguir o Curso IDEG nas redes sociais, ouvir nosso podcast e se inscrever no nosso canal do YouTube.

No próximo item, vamos falar sobre a elaboração do material-base de revisão.

 

Grande abraço,

Pedagoga Raquel Medeiros