Secretaria: (21) 2018-0355 | (11) 3181-8443 | (61) 3181-0158 - WhatsApp Suporte: (15) 991536863 | (21) 986617639 atendimento@ideg.com.br

Passos necessários para a travessia

Conhecer o Concurso de Admissão à Carreira Diplomática (CACD) é o primeiro passo que leva à compreensão das etapas da preparação. A travessia específica requer preparação correta, estratégica e focada no alto desempenho. Cada detalhe importa no processo.

A sua busca

O Concurso de Admissão à Carreira Diplomática (CACD), apesar de ser um “concurso público”, não deve ser tratado, em termos de preparação, como os demais certames de contratação governamental. Vamos às diferenças que marcam a prova da diplomacia:

Fases da prova: o CACD possui várias fases e ocorre anualmente. A primeira fase (Teste Pré-Seleção – TPS), realizado pela banca CESPE, é formado por questões objetivas de nove matérias básicas (Economia, Política Internacional, Geografia, Direito Internacional, Direito Interno, História do Brasil, História Mundial, Português e Inglês). Cada questão possui quatro assertivas individuais em que afirmações são feitas. O candidato deverá julgar se o proposta está certo ou errado. Caso o candidato erre o julgamento, uma assertiva que ele tenha acertado será anulada (ou seja, “uma errada anula uma certa”). O TPS apresenta uma nota de corte, estabelecida após a apuração dos desempenhos dos candidatos, que levará os primeiros trezentos candidatos classificados à segunda fase do certame. A segunda fase é composta, geralmente, por prova discursiva de idiomas – Português e Inglês. Os classificados na segunda fase seguem rumo à última etapa do concurso. Na terceira fase, há provas discursivas das matérias Economia, Geografia, Política Internacional, Diretos e História do Brasil, além de outros dois idiomas, Francês e Espanhol.

Abrangência do edital: com uma profusão de temas espalhados por nove matérias, a banca cria questões dentro de amplo escopo cronológico (basta reparar nos editais de história – requer o conhecimento de mais de dois séculos), com várias linguagens (nem tente responder a uma questão de política internacional utilizando uma linguagem econômica) e utilizando vários idiomas (os quatro contidos no edital – Português, Inglês, Francês e Espanhol).

Profundidade das matérias: a prova busca detalhes e aprofunda os temas do edital. Essa, talvez, seja a maior diferença entre o CACD e outros concursos. Detalhes dos acontecimentos, das gramáticas e da técnica são fundamentais para obter aqueles pontos que deixarão o candidato dentro das vagas.

Necessidade de formalização do conhecimento: Como se trata de preparação de longo prazo, o aluno deve ter uma ampla gama de resumos e fichamentos para poder armazenar o conhecimento ao longo de dois ou três anos. Não dá pra recuperar conhecimentos em livros densos dois meses antes da prova.

Tempo de preparação: O concurso demanda um tempo mais longo para a preparação. Se seu amigo passou em um ano, ele é um gênio e um ponto fora da curva. Pela experiência, o que se vê é um estudo médio de dois, três ou quatro anos. Portanto, é fundamental se programar e entender as fases que compõem a preparação.

Preparamos duas palestras imperdíveis para você

Os diplomatas e professores do IDEG, Pedro Sloboda, Hélio Franchini e Daniel Vidal, falam sobre suas experiências desde os estudos e preparação ao CACD até a chegada à carreira diplomática no MRE. Funcionamento da carreira, dificuldades enfrentadas na preparação, dentre muitos outros temas, são abordados de modo informal e acessível.

Os professores Marcello Bolzan, Luigi Bonafé, Thiago Rocha, Felipe Estre e Tiago Miranda, ao lado de alguns alunos e alunas, falam sobre a questão financeira no estudo ao CACD. Uma palestra rica em conteúdo que trará luz a todos que iniciam seus estudos ou mesmo já estão há algum tempo nessa luta.

Momentos da preparação

A preparação para o Concurso de Admissão à Carreira Diplomática(CACD) é complexa e exige dos candidatos habilidade em diferentes competências.  Aqueles que pretendem realizar o concurso devem ter em mente que não basta a formação em determinado curso; ou ser “bom” em alguma matéria cobrada pelo edital, ou mesmo ter estudado em alguma instituição renomada.

Embora os conhecimentos acumulados ao longo da vida façam parte do repertório do aluno e possam ser úteis em algum momento, este fato isolado não vai levar, automaticamente, à aprovação. Como qualquer concurso para carreira publica, os conhecimentos exigidos são específicos e por isso a preparação deve ser objetiva e orientada.

É fundamental que o aluno conheça bem o edital do concurso, assim como a “jurisprudência” da banca avaliadora (CESPE). Portanto, para que o aluno não se perca em estudos, aulas e investimentos desnecessários, rompendo a motivação, é imprescindível primeiramente definir em que fase da preparação o candidato se encontra para a partir de então definir uma estratégia de estudos eficiente.

 

O candidato que começa seus estudos é aquele que irá iniciar ou está fazendo seus primeiros cursos de preparação para o concurso e entendendo o funcionamento da bibliografia requerida. Esta é a fase em que se deve buscar conhecimentos da matéria e da prova de modo a entender o nível exigido pelo CACD. Apenas tendo esse objetivo em mente será possível aprofundar de modo correto e orientado os estudos até chegar às exigências da prova.

O aluno deve buscar os cursos teóricos com maiores carga-horária para que possa ter contato completo e visão ampla e geral de toda a matéria cobrada na prova. De nada adianta gastar tempo com cursos curtos e limitados. Isso apenas o fará gastar dinheiro diversas vezes com as mesmas ferramentas. Por isso, aqui vai uma dica do professor Marcello Bolzan:

 “na hora de escolher o curso, veja se a carga horária é adequada às exigências do CACD. Entenda o tempo da prova. Não é preciso fazer todas as matérias ao mesmo tempo, afinal, você estudará alguns anos até a aprovação. Faça com calma e faça bem feito. Cursos teóricos com menos de 80 horas de duração não são adequados à preparação – essa é uma regra básica”.

Prof. Marcello Bolzan

 Além das aulas, a leitura da bibliografia necessária também é feita neste momento. Nesta fase o candidato vai aprender a mapear o edital do CACD. É aqui que o aluno deve começa a ter os primeiros contatos com o conteúdo do edital e com base no conhecimento do curso teórico o aluno vai conhecer como as matérias são cobradas no edital do concurso e passará profundamente pelo ensino de cada um dos tópicos presentes no edital.

 

Cursos indicados:

– “Estou me dedicando integralmente à preparação”: Todos os cursos do SISTEMA INTEGRADO DE PREPARAÇÃO (SIP) oferecidos pelo IDEG. Clique em NOSSOS CURSOS e conheça as opções.

– “Estou me dedicando em tempo parcial à preparação”: Todos os cursos de FORMAÇÃO TEÓRICA oferecidos pelo IDEG. Clique em NOSSOS CURSOS e conheça as opções.

Resumo da fase inicial

Objetivos maiores: mapear toda a teoria contida no edital, de todas as matérias;

Objetivos diários: entregar ao fim do dia, a si mesmo, um resumo do que foi lido;

Orientação pedagógica: conversar continuamente com os coordenadores pedagógicos e reorientar o cronograma de estudos sempre que possível;

Na hora da prova: deve-se buscar a vivência do “clima da prova”;

Maiores riscos: perder a disciplina de leituras e de fichamentos.

 

Após o primeiro contato com as disciplinas e edital de prova na fase inicial, espera-se que o aluno possua os conhecimentos necessários sobre a banca e a profundidade exigida na prova. Como resultado da fase inicial, aluno deve possuir materiais separados e organizados (cadernos, fichamentos de leitura e etc.). Serão extremamente relevantes para a fase intermediária da preparação.

O aluno irá aprofundar e acrescentar informações ao conhecimento básico adquirido, por meio de cursos de exercícios, leituras complementares e cursos de aprofundamento. Nesta fase é preciso refinar o conhecimento e tomar ciência dos detalhes cobrados e temas específicos. Portanto, é extremamente importante que o aluno siga as orientações dadas pelos professores nos cursos de exercícios e de aprofundamento para que não perca tempo com materiais e leituras desnecessários.

O aluno da fase intermediaria deve buscar associar o aprofundamento teórico das disciplinas com a prática de exercícios. Além de ser uma forma de aprofundamento, os exercícios são uma ótima forma de avaliar como está o conhecimento do aluno em cada disciplina e realizar um estudo direcionado para sanar dúvidas específicas. A prática de exercícios é fundamental para treinar o aluno a realizar questões constantemente e, com isso, acostumar-se com a forma de cobrança e realização da prova. Esse treino e conhecimento da banca avaliadora é fundamental para um bom desempenho na hora de realizar o concurso.

 “Os exercícios são fundamentais não como mensuração de desempenho, mas sim, como ferramenta de aprofundamento e expansão do conhecimento do aluno. Eles complementam os cadernos, completam os estudos e ampliam o trabalho dos docentes, já que tocam em pontos com uma profundidade maior do que aquela vista nos cursos teóricos. São fundamentais a partir de certo momento do estudo do aluno.”

Prof. Marcello Bolzan

 A fase intermediaria da preparação é o momento em que o aluno deve começar a se dedicar aos idiomas, caso não o tenha feito na fase inicial. As últimas provas do CACD mostraram que a cobrança das línguas vem sem tornando cada vez mais especifica exigindo do candidato uma preparação aprofundada. O conhecimento básico do idioma não é mais suficiente para realização de uma prova com chances da pontuação mínima para aprovação. Por isso, é necessário que o aluno busque cursos e professores especializados no CACD pois o conhecimento geral do idioma não leva á aprovação. É fundamental um curso direcionado ao concurso com linguagem e conhecimentos específicos cobrados em prova.

Cursos indicados: Essa é a etapa mais densa do estudo. Momento em que a teoria se funde com os exercícios. 

– “Estou me dedicando integralmente à preparação”: Todos os cursos do SISTEMA INTEGRADO DE PREPARAÇÃO (SIP) oferecidos pelo IDEG. Clique em NOSSOS CURSOS e conheça as opções.

– “Estou dedicando em tempo parcial à preparação”: Todos os cursos de FORMAÇÃO TEÓRICA ou EXERCÍCIOS (SAE) oferecidos pelo IDEG. Clique em NOSSOS CURSOS e conheça as opções.

Resumo da fase intermediária

Objetivos maiores: agregar novos conhecimentos aos resumos e aplicar constantemente o conhecimento em exercícios da banca;

Objetivos diários: entregar a si mesmo, ao fim do dia, novos argumentos em seus fichamentos e uma lista de exercícios objetiva ou questão discursiva feitas;

Orientação pedagógica: conversar continuamente com os coordenadores pedagógicos e reorientar o cronograma de estudos sempre que possível, mantendo o foco nos objetivos da fase intermediária;

Na hora da prova:  concentrar-se a fundo e fazer a prova para valer. Já há plena capacidade de fazer uma boa prova e é possível realmente passar. Deve-se pensar na prova como um todo e não apenas na primeira fase (Teste Pré Seleção – TPS);

Maiores riscos: perder a disciplina de leituras e revisão dos resumos, deixar a motivação baixar.

 

A fase avançada da preparação para o CACD pode ser considerada a mais delicada e sensível. Isso ocorre pelo tempo que já foi dispendido, os recursos financeiros gastos e a exaustão física e mental após anos de dedicação.

Nessa fase, o candidato já completou as aulas e as leituras básicas, já passou por cursos e materiais de aprofundamento e já possui o nível cobrado pelos idiomas. Da mesma forma, o aluno em momento avançado de preparação já possui conhecimento do edital da prova e da forma como a banca cobra os tópicos.

Nesse momento é fundamental manter o foco e prática de exercícios (discursivos e objetivos) para que o aluno não perca as informações adquiridas, o conhecimento sem prática pode cair no esquecimento.

 “O CACD é, antes de tudo, um teste de resistência e vocação. Essa prova reflete a carreira do diplomata. Aquele que negocia assuntos importantes para o país não deve fraquejar e deve ter a frieza para entender os “tempos” das coisas. Lidar com derrotas e vitórias forjam algumas competências valiosas à carreira diplomática. Ter autodisciplina e autoconhecimento é importante na fase avançada de estudo. O candidato entra, nesse momento, na fase de teste emocional. Esse é o mais árduo. Portanto, é preciso ter uma compreensão mais ampla das emoções e não desistir. Isso é o comportamento diplomático em sua essência.”

Prof. Marcello Bolzan

 Entre as principais queixas e dúvidas dos candidatos estão relacionadas a esta fase da preparação. Como manter o conhecimento adquirido, não perder informações e como continuar estudando, são as principais dificuldades tanto dos alunos que não passaram da prova da primeira fase do concurso como dos que já fizeram todas as fases.

É muito comum nesta fase o aluno se perder nos estudos por não saber como continuar a travessia caso uma derrota chegue. Por isso é fundamental a manutenção do um acompanhamento pedagógico e motivacional para auxiliar na formulação das estratégias e metas adotadas pelos para os alunos se manterem nessa fase até alcançarem a aprovação.

Cursos indicados: Essa é a etapa final do estudo. Momento em que a teoria se funde com os exercícios em maior maturidade. 

– “Estou me dedicando integralmente à preparação”: Todos os cursos do SISTEMA INTEGRADO DE PREPARAÇÃO (SIP), CURSOS DE APROFUNDAMENTO e SISTEMA DE MANUTENÇÃO ESTRATÉGICA (SME) oferecidos pelo IDEG. Clique em NOSSOS CURSOS e conheça as opções.

– “Estou dedicando em tempo parcial à preparação”: Todos os cursos de EXERCÍCIOS (SAE), CURSOS DE APROFUNDAMENTO e SISTEMA DE MANUTENÇÃO ESTRATÉGICA (SME) oferecidos pelo IDEG. Clique em NOSSOS CURSOS e conheça as opções.

 

Resumo da fase avançada

Objetivos maiores: ser aprovado usando todo o potencial do conhecimento aplicado

Objetivos diários: entregar a si mesmo, ao fim do dia, a anotação do desempenho em listas de exercícios objetivos e questões discursivas. Conhecimento de atualidades.

Orientação pedagógica: conversar continuamente com os coordenadores pedagógicos, reorientar o cronograma de estudos sempre que possível e acessar o corpo docente sempre que necessário.

Na hora da prova: concentrar-se a fundo e fazer a prova para valer. Aqui é o tudo ou nada. Vá com tudo, leve seu corpo e sua mente ao extremo, não imponha limites… vire diplomata!

Maiores riscos: desmotivação, desmotivação, desmotivação, desmotivação… ah, sim! Outros concorrentes em estudo avançado.

 

Orientação IDEG

O IDEG sempre lhe oferecerá o atendimento mais humano e prestativo. Por isso, oferecemos os serviços GRATUITOS de orientações pedagógica e motivacional. Três profissionais trabalham diretamente nessas atividades para que você possa sempre ter a quem recorrer em caso de dúvidas. Para qualquer uma das atividades, basta marcar o horário na agenda e as coordenadoras entrarão em contato por Skype, na hora marcada. Fique à vontade.

Orientação Pedagógica

A Orientação Pedagógica contempla atividades importantes para a sua preparação. Desde a formulação de cronogramas de estudo até explanações precisas de como usar as ferramentas que oferecemos na preparação. Importante ainda lembrar de que nossas orientadoras irão lhe ajudar a decidir qual a melhor trajetória em seus estudos (como, por exemplo, qual a sequência de matérias a serem cursadas ou mesmo por onde começar seus estudos).

São responsáveis por esse trabalho a coordenadora pedagógica MARIANA LIMA. Para marcar o atendimento basta verificar a disponibilidade nas AGENDAS ABAIXO. Você receberá um SMS de confirmação e lembrete desse agendamento. O atendimento é online e feito pelo Skype. Mas, não se preocupe. Nós organizaremos tudo. Basta que você esteja à frente de seu computador na hora escolhida.

Orientação Motivacional

A Orientação Motivacional é fundamental para manter seu equilíbrio nessa travessia. Os abalos emocionais (que criam ciclos de pico e vale nos estudos) são os maiores responsáveis pelo abandono da jornada. Por isso, é fundamental que tudo esteja alinhado: estudo e emoções.

A psicóloga responsável pelos atendimentos é a TINA DE SOUZA. Com um método exemplar de trabalho lhe ajudará a se reconectar com os estudos e com a travessia na hora do sufoco. Ela ajudará a organizar pensamentos e sentimentos, mantendo assim, a rota da travessia. Para marcar o atendimento basta verificar a disponibilidade na AGENDA ABAIXO. Você receberá um SMS de confirmação e lembrete desse agendamento. O atendimento é online e feito pelo Skype. Mas, não se preocupe. Nós organizaremos tudo. Basta que você esteja à frente de seu computador na hora escolhida.